Translate

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Elfo

Tuas vestes alvas e leves
Como memórias de uma infância feliz
Velavam-te o pálido corpo em movimento
Um elfo perdido em busca de lemúria

Tantas vezes quis eu prender-te a mim
Sorver-te como parte de meu espírito
Tê-lo como minha alma cativa
Violei teu sonho de liberdade no final

Venha meu doce amor!
Ser meu prisioneiro também é deleite
É desfrutar de cálidos beijos, mornos abraços
É ter ardentes desejos na alma

É querer de amor morrer em mim
Para não findar a vida no desprezo dos homens
É perder-se na minha escuridão
E jamais querer ser encontrado

A pureza é um sonho do devasso
Como a morte é o sonho do lúgubre poeta
Por isso desejo-te aqui esta noite
Para que eu seja as trevas na tua angelitude.

Por: Katrina De Salem

Cadáver


Todos os dias, a mesma cena
Um túmulo violado, vazio
A carcaça nele já não repousa
Ela caminha como os estúpidos vivos

Sem alma, sonhos ou arrependimento
Um amor que morreu antes mesmo de florar
Mesmo quando a primavera explodia
perfumes, cores, amores...

O cadáver corroído pela terra, pelo tempo
Caminha para o mar adormecido
entre as ondas e espumas brilhantes
O feio desgraçando o quadro divino

Um coração podre que ainda bate
Escondido entre costelas quebradas
Grita sem voz, na lei do silêncio mortal:
- Ajuda-me! Pois de amor padeço!

By: Katrina De Salem

Necrofilia


Pela tua boca pequena e cerrada
Percorre o veneno mortal que procuro
Uma gota que finalize uma vida
Que torne a morte mais bela

O rosto da lua chorava comigo
As lágrimas de prata reluziam
Como faróis num deserto obscuro
Guiando almas sonâmbulas nas sombras

Caí por terra como outrora
Os verões afinal tiveram um término
O adágio soou tão fúnebre!
Enquanto despetalava meus sonhos

Rezei noites sem fim pelo veneno libertador
Achei-o na tua boca já fria
O mais lindo dos cadáveres que jazia
Beijei-o com paixão, obscenidade

Profanei teus lábios gélidos mais uma vez
Em nome de todas as noites de solidão
Pelos fantasmas que atormentam
Por tudo que me abateu e me fez chorar

Chamei a morte para mim.

por: Katrina De Salem

sábado, 9 de outubro de 2010

Que tal publicar seu conto?

Saudações amigos e amigas

Que tal ter seu conto publicado?
A sua chance é essa!
Como?

Fácil! Participe do concurso de novos autores da editora Andross.
Como este blog se dedica aos escritos de caracter mais obscuro, vou indicar o concurso para o livro " Moedas para o Barqueiro - Volume II "
O tema? MORTE!

Mais informações e as inscrições aqui:


Os textos serão recebidos até 31 de dezembro de 2010, previsão de lançamento para maio de 2011.

Boa sorte meninos e meninas